Atlético vacila no Mineirão e perde para o Cerro Porteño na estreia da fase de grupos da Libertadores

0

Após mais de 500 dias sem jogar no Mineirão como mandante, o retorno do Atlético ao Gigante da Pampulha não foi como a torcida esperava. Diante de um público de 38.736 pessoas, o time alvinegro teve uma atuação abaixo do esperado na estreia na fase de grupos da Copa Libertadores e perdeu por 1 a 0 para o Cerro Porteño-PAR, nesta quarta-feira, pela primeira rodada do Grupo E da competição continental.

Churín marcou para o Cerro aos 32 minutos da etapa final. O atacante da equipe paraguaia estava em posição irregular ao receber o lançamento, mas o auxiliar validou o gol.

O Atlético chegou a balançar as redes aos sete minutos do primeiro tempo, mas o árbitro anulou o gol. Cazares cobrou falta para a área, Luan se jogou na bola e ela entrou no cantinho. No entanto, como o lance era tiro livre indireto, precisaria de dois toques para a conclusão da jogada, o que, na visão do juiz, não aconteceu, pois Luan não teria tocado na bola.

A equipe atleticana voltou a marcar nos acréscimos da partida com Ricardo Oliveira, mas o árbitro invalidou o gol após o auxiliar assinalar que o camisa 9 estava impedido.

Ainda no primeiro tempo, Cazares acertou a trave após chute de longe e desvio no marcador. No rebote, Ricardo Oliveira finalizou, mas chute pegou no defensor do Cerro e saiu.

Mas na maior parte da partida, o Atlético pouco criou e errou muito no setor ofensivo. O técnico Levir Culpi, que iniciou o jogo com três volantes (Adilson, Jair e Elias), sacou todos ao longo do segundo tempo – colocando Nathan, Chará e Vinícius. Nos minutos finais, o time atuou sem nenhum atleta de contenção no meio-campo e com várias peças ofensivas, mas mesmo assim não conseguiu furar a defesa paraguaia.

Com o resultado, o Atlético terá que buscar pontos fora de casa para não se complicar no Grupo E.

O time alvinegro o volta a campo no próximo sábado, às 16h30, contra o Patrocinense, fora de casa, pela nona rodada do Campeonato Mineiro. Para a partida, o técnico Levir Culpi deve acionar uma formação reserva, pois na terça-feira o Galo joga novamente pela Libertadores. Às 21h30 (horário de Brasília), a equipe encara o Nacional-URU, no estádio Parque Central, em Montevidéu, pela segunda rodada do Grupo E.

O jogo

O início da partida no Mineirão foi eletrizante. O Atlético se lançou ao ataque, quase marcou no minuto inicial em jogada de infiltração de Elias, mas recebeu o troco na sequência com Nelson Haedo Valdez desperdiçando chance clara e indicando que o Cerro também poderia dar trabalho. 

Mas as ações ofensivas do time paraguaio praticamente ficaram nisso na etapa inicial. E o Atlético demonstrou vontade e um pouco de nervosismo no ataque, tendo prevalecido nas jogadas aéreas, acertado a trave em uma finalização de Cazares e acionado muitas vezes Ricardo Oliveira. Só que não conseguia abrir o placar, até por um gol bem anulado, em cobrança de tiro livre indireto pelo equatoriano, em que a bola entrou no gol sem tocar em nenhum jogador. 

Para essa dificuldade, pesava a falta de alternativas pelas pontas no Atlético. Cazares, o melhor jogador do time na partida, buscava distribuir o jogo com a sua criatividade e habilidade. Mas encontrava poucas alternativas pelos lados, o que tornava o time mais lento e facilitava a marcação do Cerro, que, assim, conseguiu levar o 0 a 0 para o intervalo. 

Esse cenário de lentidão se acentuou no começo do segundo tempo, pois Elias e Luan continuavam avançando pouco pelas pontas. E levou Levir a sacar, com poucos minutos, o volante de origem, promovendo a entrada de Chará. Mas exceto por jogadas criadas por Cazares, o Atlético criava pouco, sem conseguir pressionar o Cerro Porteño. 

Com isso, Levir trocou um volante – Jair – por mais uma peça para o setor ofensivo, o meia Nathan, um jogador que inicialmente nem havia sido inscrito pelo Atlético na Libertadores. Só que quem marcou foi o Cerro. Em boa trama, Oscar Ruiz cruzou para Diego Churín, no meio da área e em posição de impedimento não observado pela arbitragem, desviar a bola com a coxa, marcando aos 32 minutos. 

No abafa, o Atlético ficou sem nenhum volante de origem em campo buscou pressionar o Cerro em muitas jogadas aéreas, teve duas chances com Fábio Santos e mais um gol bem anulado, de Ricardo Oliveira. Mas nada que evitasse a derrota por 1 a 0 e as vaias da torcida alvinegro ao fim do jogo. 

Atlético 0 x 1 Cerro Porteño

Atlético: Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Adilson (Vinícius), Elias (Chará), Jair (Nathan), Luan e Cazares; Ricardo Oliveira. Técnico: Levir Culpi

Defensor: Juan Pablo Carrizo; Candia, Escobar, Amorebieta e Arzamendia; Aguilar, Villasanti, Ruíz e Federico Carrizo (Espínola); Haedo (Churín) e Larrivey (Novick). Técnico: Fernando Jubero

Motivo: 1ª rodada – Grupo E da Copa Libertadores
Data: 6 de março de 2019, quarta-feira, às 19h15
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Gols: Churín (32’/2º)

Cartão Amarelo: Candia (Cerro Porteño); Réver, Adilson (Atlético)

Árbitro: Mauro Vigliano (ARG)
Auxiliares: Hernán Maidana (ARG) e Gabriel Chade (ARG)

Público: 38.736
Renda: R$ 1.738.540,00

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui