Sábado, 21 de Maio de 2022 19:47
(31) 9 97322364
Educação Educação

Saúde mental dos estudantes pós-pandemia impõe maior atenção na rotina escolar

Psicologa fala sobre aponta os impactos do isolamento social nos jovens como: transtornos de ansiedade e depressão, a sensação de pouca motivação, ...

11/05/2022 17h00
Por: Redação Fonte: Agência Dino
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Uma pesquisa realizada pelo governo de São Paulo em parceria com o Instituto Ayrton Senna revelou que dois em cada três (ou seja, 70%) estudantes do 5º a 9º ano do ensino Fundamental e Ensino médio da rede estadual de São Paulo apresentam sintomas de depressão e ansiedade. O levantamento contou com a participação de 642 mil alunos no âmbito do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp).

Ainda não foram divulgadas pesquisas sobre o tema em Minas Gerais, mas nos últimos meses, foram registrados diversos casos de violência nas escolas do estado. Conforme dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, em 2022, com a volta total das atividades - exceto na rede do Estado, cujo ano letivo começou em abril por conta de greve -, houve 68 ocorrências de lesão corporal e outras 82 de agressões.

Segundo avaliação da psicóloga escolar do Sistema Gabarito de Ensino, Maria Carolina Rodrigues Tomé, a questão do bullying e da violência se aprofundaram em resposta à pandemia. "Antes da pandemia, esse movimento já estava acontecendo, com episódios de intolerância às diferenças e diversidade de opiniões. Dependendo do nível escolar, principalmente no Fundamental 2, fase na qual as crianças estão começando a desenvolver sua identidade jovem, a exclusão acontece de maneira mais intensa, até como um sintoma de insegurança e sentimento de inadequação dos jovens de 10 a 14 anos. Esse fenômeno ganhou uma superdimensão porque as pessoas ficaram isoladas em suas casas e deixaram de estabelecer relações sociais de qualidade, voltando para a escola com resquícios de uma vivência muito individualista/individualizada. Então, lidar com a opinião do outro, com o convívio social, com as diferenças, com regras e com a mediação de conflito, gerou um cenário mais delicado e complexo de gerir", avalia.

A questão do impacto do isolamento social no comportamento humano vem sendo estudada há um tempo pela psicologia social: a questão dos transtornos de ansiedade e depressão, a sensação de pouca motivação, de fracasso, irritabilidade, insônia, tudo já era previsto em situações de falta de contato social. "Quando você isola as pessoas do contato humano - porque nós somos essencialmente sociais - você tira delas a essência de sua humanidade, então o corpo e a mente começa a responder de maneira aguda. Nesse cenário, realmente o avanço e crescimento dos transtornos mentais foi assustador, com muita busca por atendimentos na área de saúde mental. Nunca foi tão nítido e concreto a noção de que precisamos do outro para nos constituir, essa perspectiva cabe, também à escola e à aprendizagem"- diz a psicóloga.

Volta às aulas

Com o retorno às atividades escolares, as instituições de ensino precisaram se adaptar à nova realidade para promover o acolhimento dos alunos. "Desde o início do ano nós estamos discutindo com toda a equipe pedagógica ações dentro de sala de aula que gerem acolhimento ao aluno. Ao professor foi orientado que abrisse espaço de debate sempre que o tema surgisse para privilegiar a escuta ativa. O Gabarito sempre teve espaço de acolhida, nós promovemos a psicologia escolar como um lugar de acolhimento, orientação de pais e aluno, e agora nós estamos com um projeto muito interessante que chama Gente em Rede para todas as pessoas que fazem parte da formação do aluno, como funcionários, professores, gestores pedagógicos e famílias com a possibilidade de fazer diagnósticos entendendo onde nosso aluno está e para onde que nós devemos ir. Então são movimentos da instituição entender de forma generalizada a importância do acolhimento", concluiu.

As escolas podem contribuir também para uma melhor saúde mental dos alunos quando percebem que houve uma "defasagem" cognitiva e geram a possibilidade de conquista desse aprendizado. Com calma, construindo isso com os alunos para que eles se sintam seguros na aprendizagem. "Eu percebo que os estudantes chegaram com muitas questões de aprendizagem e isso gera muita ansiedade, então muitos alunos perderam ou diminuíram a capacidade de escrita, de leitura, de produção de texto, de capacidade lógico matemática, e quando chegam na sala e têm que desenvolver um raciocínio mais complexo e não conseguem isso gera uma ansiedade enorme, um sentimento de fracasso. Portanto se a escola conseguir evitar que isso aconteça já é meio caminho andado." argumenta Maria Carolina.

Aos familiares dos estudantes orienta-se compreender e ter tranquilidade de que o aprendizado que foi perdido vai ser ganho aos poucos. Se a família entende isso vai cobrar menos do aluno e vai também entrar no processo de acolhida, de compreensão, que esse conhecimento vai ser ganho aos poucos. "Mas ao mesmo tempo, é muito importante que as famílias fortaleçam a autonomia dos filhos, estabeleçam boas rotinas de estudo, entendam que mesmo que o filho esteja muito fragilizado ele vai conseguir se resgatar e se reconstruir, então a família acolhe, mas também gera o impulso que estimula a autonomia. A base das nossas relações são nossas famílias, a partir da crença familiar, do apoio, é que o filho vai caminhar", finaliza a psicóloga.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Santa Maria de Itabira - MG
Atualizado às 19h45 - Fonte: Climatempo
14°
Tempo aberto

Mín. Máx. 24°

14° Sensação
12.1 km/h Vento
70.8% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (22/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 11° Máx. 24°

Sol
Segunda (23/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 25°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias